A postura do servo diante do processo eleitoral - Rádio Maanaim
A postura do servo diante do processo eleitoral

A postura do servo diante do processo eleitoral

Uma palavra de orientação da Igreja Cristã Maranata a respeito da postura do servo diante do processo eleitoral.

CIRCULAR                                                                                 N.º 056/14

 

NOTA DE ESCLARECIMENTO SOBRE ELEIÇÕES

Admoesto-te  pois, antes de tudo, que se façam deprecações,  orações, intercessões,  e ações de graças por todos os homens; pelos reis, e por todos os que estão em eminência, para que tenhamos  uma vida quieta e sossegada,  em toda a piedade e honestidade.  Porque isto é bom e agradável diante de Deus, nosso salvador.” I Timóteo 2:1-3

Gostaríamos de deixar com a igreja uma palavra de orientação a respeito da postura do servo diante do processo eleitoral:

1.   Para conhecimento dos membros da Igreja Cristã Maranata – Presbitério Espírito Santense e a quem mais possa interessar,  informamos  que não temos representantes  legais para falar em nome da Igreja Cristã Maranata sobre assuntos ligados a políticos e partidos políticos, embora respeitemos a opinião de qualquer pessoa sobre o assunto, desde que seja de responsabilidade pessoal.

2.   O voto é um direito de qualquer cidadão, e ninguém deve se omitir, para o bem do nosso país.

3.   A escolha de candidatos  é livre e todo cidadão tem a faculdade  de se expressar  livremente, desde  que  sua  manifestação  não  comprometa  nem  envolva  a  comunidade  da  Igreja  Cristã Maranata, nem seus dirigentes.

4.   É norma  da Igreja  Cristã  Maranata  desligar  automaticamente  do ministério  pastoral  qualquer pastor  membro  do  Presbitério  que  escolha  fazer  carreira  política,  mesmo  como  candidato, embora  entenda  que tal escolha  deva ser respeitada,  visto que os pastores  da Igreja  Cristã Maranata servem ao ministério da igreja por confissão de fé, sem vínculo  empregatício e  sem remuneração.

5.   A Igreja Cristã Maranata não tem o propósito de se tornar partido político ou abrigar núcleos e células  eleitorais,  para  no  futuro  se  valer  de  possíveis  benefícios  com  representantes   e defensores de seus interesses.

6.  A eleição  para nós não tem um caráter  político,  mas profético,  porque  quando  votamos  não estamos apenas escolhendo e fortalecendo um nome, mas os poderes que esses nomes representam (ainda que não o saibam).

7.  A  eleição  para  nós,  contudo,  é  um  exercício  de  discernimento.   Nós  ganhamos  quando pessoais dos nossos objetivos espirituais.

8.  Como   fazemos   no   nosso   cotidiano,   quando   queremos   tomar   uma   decisão   importante, consultamos ao Senhor, o nosso voto, também, é consultado.

9.  COMO VOTAR?

Recomendamos,  antes de votar, realizar uma triagem dos candidatos  considerando  as forças que representam e o grau de relacionamento pessoal. Como exemplo, poderíamos hierarquizar os nossos critérios assim:

1)  Postura em relação à Igreja;

2)  Parentes;

3)  Amigos;

4)  Evangélicos;

5)  Outros.

Após a triagem, iremos consultar ao Senhor os nomes em que pretendemos votar.

Consulte ao Senhor!

Meu candidato perdeu! Mas o irmão ganhou!

Ganhou em obediência, fidelidade, comunhão, experiência, livramento.

Sabemos  que  o  Senhor  sempre  tem  um  caminho  para  o  seu  povo,  para  aqueles  que obedecem... Apocalipse 18:4.

10. Por  último,  informamos  que  por  obrigação  e  respeito,  mantemos  convivência  amiga  com políticos dirigentes e candidatos de qualquer partido, que são sempre bem-vindos e recebidos em nossos templos em qualquer ocasião, ficando dispensados de atender favores pessoais ou a grupos  com  recursos  públicos,  exceto  nos  casos  de  atendimento  à  ordem  e  ao  direito  dos cidadãos e da coletividade em geral.

11. Não esqueça de levar a cola, com o número dos candidatos para votação.

...o se pode esconder uma cidade edificada sobre um monte.” Mt 5:14

 

A Paz do Senhor 
Conselho Presbiteral.

 

Publicações Relacionadas

Últimas Publicações